domingo, maio 4

do sol e da lua... e de um sentido samaraguiano


Sento-me numa varanda que dá para o mundo e peço à Lenox para me cantar alguma canção. Olho o céu e, ao longe, as nuvens negras que deixam o meu sol brilhar. Lembro-me de uma Blimunda que roubava vontades que alimentariam máquinas voadoras, de um Baltasar coto e de um Bartolomeu louco... e pego num memorial de um convento, o de Mafra, o do Saramago que há-de dizer que para cada sol há-de haver uma lua, e só porque um existe, o outro há-de ter sentido...

4 Comments:

At domingo, 04 maio, 2008, Anonymous Alguém que te admira muito... said...

É como duas forças complementares que paradoxalmente compõem um equilíbrio dinâmico entre elas e de onde surge todo o movimento… o sol… esse… iluminou Newton, Galileu, Einstein, e também Camões, Saramago e tantos outros, em teorias e textos que testemunham a sua existência…, e agora ilumina a ti e a mim (só tenho pena que não seja contagioso)… fico feliz por ver que o teu sol brilha de novo…

 
At terça-feira, 06 maio, 2008, Blogger schumaniano said...

Todo tiene su contrario como el Sol y la Luna ¿Necesitamos también nosotros mismos nuestros propios contrarios para tener una existencia más preclara?

 
At sábado, 10 maio, 2008, Blogger schumaniano said...

Somos pasado, somos presente y seremos futuro dentro de un margen que espero sea amplio. Para mí el futuro es la suma del pasado y del presente más inmediato. Necesito presente paratener futuro.

 
At segunda-feira, 09 junho, 2008, Blogger Rafaela said...

é ao ler estes textos que me pergunto por que razão o stôr não ficou para nos dar aulas até ao 12ºano. Maldito ministério e as suas regras! Teria sido muito mais interessante ler o "Memorial do Convento" e estudá-lo!

saudades...*

 

Enviar um comentário

<< Home